You are currently viewing Estará a Hasbro Matando o Magic?

Estará a Hasbro Matando o Magic?

No início desta semana as ações da Hasbro despencaram 6% e continuaram a cair ao longo da semana, acumulando uma perda de mais 12%, um dos maiores tombos da empresa em um bom tempo.

Após uma ampla pesquisa nos negócios da empresa, o Bank of America diminuiu, na segunda feira, a recomendação das ações da Hasbro em dois níveis, o que causou a queda abrupta logo no início do pregão do dia 14 de novembro e as consequentes quedas ao longo da semana.

O motivo desta diminuição na recomendação é que, segundo os analistas do BoA, a Hasbro pode estar lentamente matando o responsável por cerca de 15% da arrecadação total da companhia, literalmente a galinha dos ovos de ouro dela, Magic, the Gathering.

Magic, para quem não conhece, é o CCG (jogo de cartas colecionáveis) mais longevo já criado e, se não o de maior sucesso, certamente entre os top 5. Criado em 1993 por Richard Garfield, o jogo estará completando 30 anos ano que vem, mas a idade parece começar a apontar para ele.

Segundo a pesquisa, a Hasbro vem super-produzindo as cartas do jogo, o que tem trazido resultados para a empresa, mas parece estar matando a marca no longo prazo. De acordo com os analistas, novos sets tem sido lançados com cada vez mais velocidade, levando muitos jogadores a optarem por um modo de jogo no qual as cartas antigas ainda podem ser usadas, já que muitos não conseguem mais acompanhar os lançamentos.

As lojas e os distribuidores também vem se sentindo frustrados com o modo de trabalho aplicado pela Hasbro atualmente e muitos reportaram começarem a ter prejuízo com as cartas do jogo, o que deverá levar a pedidos substancialmente menores no futuro.

Para coroar a estratégia atrapalhada da Hasbro, edições de aniversário do jogo tem sido vendidas a preços altos demais (alguns kits de 30 anos chegam a custar US$999,00 por 4 boosters) mesmo para colecionadores e, nelas, algumas cartas que a empresa tinha prometido “nunca mais serem impressas“, foram impressas novamente, o que derrubou os preços entre os colecionadores, vários dos quais liquidaram completamente suas coleções.